Feliz Natal

Feliz Natal

terça-feira, 18 de maio de 2010

Mudança dos tempos...



Foi no olhar que senti o teu amor
Essa tua forma de estar com a vida
Nas palavras que escreves com ardor
E muitas vezes ficas deveras comovida

Por vezes sinto o teu respirar
E passeias pela tua infância
Como é bom sempre a recordar
Foram bons os dias de criança

Nos passeios até ao rio
Nas idas à praia de Espinho
Lá vinha um pouco mais de frio
E novamente a escola do povinho

Era ali bem perto hoje nova
A escola de outros tempos
Aprendia ou levava uma sova
Diria que hoje são passatempos

Mudanças dos tempos modernos
Onde o aprender ocupa espaço
Mais vale vestir uns bons ternos
E nunca experimentar andar descalço

Criança que fomos nesses tempos
A pé íamos todos os dias à escola
Hoje de carro faltam aos tempos
E ainda não precisam de pedir esmola

Outras formações outras vontades
Que o tempo nos vai ensinar
São as modernices das Liberdades
No final vamos ver quem vai buzinar

terça-feira, 4 de maio de 2010

Um Beijo...



Carrego no meu pranto
A saudade
E no meu manto
A Liberdade
Que me faz voar
Sem nunca parar
Como pássaro
Sem lei
E tudo o que farei
Por ti desejo
Ao meu jeito
Um beijo

Amor...



Fujo de mim sem saber para onde vou
Sinto a pele gelada nem sei quem sou
Corro no tempo sem grande vontade
Mas amo-te isso é a grande verdade

No cantar do meu fado
Ao longo deste meu mar
Muitas vezes ele é malvado
Mas ambos sabemos nadar

São trevas são chuvas
Tudo isto em movimento
Vinho faz-se das uvas
Amor do sofrimento

Canto I



Tantas e tantas vezes subo sem cair
Outras tantas que me sinto tonto
Rogo-te que me leves quando partir
Para onde nunca mais tenha um pranto

Uma dor que me invade a mente
Um sabor que foge sem o sentir
Caminho nas palavras livremente
Por isso choro e sinto-me a ir

Nas tuas mãos coloco o coração
No teu olhar os meus sonhos
Nem sei que tipo de oração
Escolho para estes restolhos

Procuro e busco sem fim
Escrevo para ter essa certeza
Que todos os dias terei um sim
Com determinação e firmeza

Mas afinal porque este canto
Se o tempo nunca vai parar
Também é verdade não sou santo
Mas que te adoro em bom adorar

O nosso vento...



Canto para ti minha amada
Um canto que sempre adorei
Foi estar sempre ao teu lado
E sonhar que nunca te deixarei

Todos em correria até ao fundo
Do lado da cama do lado do mar
Mas como família bem juntos
Num barco à vela a navegar

Vamos por ai fora para outras paragens
Com as velas bem desfraldadas
Aproveitando o vento e as aragens
Fugindo destas almas depenadas

Segura na tua mão este sonho
Leva contigo o nosso amor
Aqui agora te proponho
A viagem com muito sabor

sábado, 1 de maio de 2010

MÃE...


Escrevo-te minha mãe neste dia

Um dia diferente de tantos outros

Se não fosse sábado era alegria

Alegria por ser o teu dia

Dia teu de teres sido mãe

Mãe agora não chores hoje

Que vou estar contigo já a seguir

E levo comigo uma flor

Que me faz tão feliz e a sorrir

Numa mão bem apertada

Levo a minha amada

Na outra o menino homem

E no meio o teu neto

Junto da flor que apanhei

Mesmo ali ao virar da esquina

Na Ti Joaquina

Porque neste dia eu sonhei.

Passageiro