Feliz Natal

Feliz Natal

quarta-feira, 7 de junho de 2017

O meu...

Palavras encostadas no vento
Brisa que me refresca a alma
Solidão que sinto por dentro
Nestas noites de calma

Não consigo sonhar
Porque ele foge da minha mente
E é esse vento constante
Vai-me dando força para caminhar

Sento-me e entro nos quadros que me rodeiam
Sai das águas pelo meio
E de moinhos de outrora
Para cair no abismo do alto minha casa
E o sonho tenta entrar mas o vento não deixa
Lá ao fundo a passagem secreta
Deveras aberta
Para me levar a parte incerta
É o vento na sua bolina
Nunca desaparece

E me azucrina

quarta-feira, 19 de abril de 2017

[Dream]


Correria por entre prados verdejantes
E uns quantos amarelados
Não muito distantes
Do outro lado da rua
Com roupa semi-nua
De lantejoulas pendentes
De curvas já decadentes
Duma vida dura
Mas sempre pura
Correria entre pensamentos
Doravante instrumentos
De política de contentamentos
Sem fim feliz à vista
Entretanto na dobra da esquina
Ali mesmo afinada
Tocava uma viola
Que me entrava no ouvido
E do outro lado zunia
Era um dedilhar acrobático
Não de um momento sabático
Ou tresloucado
Era simplesmente
Maravilhoso e adormeci
E na outra vida tinha asas
Asas brancas enormes
E voava sem fim
Um sonho que perdi
Logo que bateram à porta
Era o carteiro
Das boas novas
Uma carta com letras miudinhas
Todas certinhas
E lá dentro
A tristeza de um povo
Que vive para pagar

Sem poder chorar

quinta-feira, 30 de março de 2017

Avião


Como seria se eu voasse
Para tão longe para lá do imaginário
Se as minhas asas não se derretessem 
E a minha retina deixasse 
Se eu voasse
Os meus sonhos na palma da mão
Duma vida que terminou 
Um olhar bem diferente
Salto que não dei e findou
Se eu voasse
Iria sim descobrir o mundo
Agarrar-te pela mão 
E deixar-me cair neste abismo
De olhos fechados
E sem heroísmo
Se eu voasse... 

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Quarenta e sete.


De manhã pela fresquinha
Nesta casa vazia e sem ti
Ontem estava tão quentinha
Hoje estás longe e nem dormi
Amanhã o sol voltará a nascer
Com nuvens negras pelo meio
Gostava tanto ver-te adormecer
Neste ninho que é o teu leito
Eles sorriem sem saber
Que a vida dá muitos saltos
Afinal tem mesmo é de ler
Para que ultrapassem os percalços
O sol a lua o vento a tempestade
Lidamos com eles todos os dias
Mas que todos sentimos é mesmo saudade
Vão longe os anos setenta
Das brincadeiras de criança
Mais perto dos cinquenta
Mas na alma muita lembrança
Foram tranças negras de certeza
Passaram a loiras
Outras improvisadas mescladas
E por vezes até doiradas
Na mesa uma vela acesa
Um prato despido de comida
No canto do olho uma lágrima
Que escorrega só com ida

Saudade

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Quando o frio aperta.

Quando o frio aperta.

Nesta cadeira gelada por dentro
Palavras tento encontrar de alento
Para lá da janela da sala
Onde o sol não queima
E o vento esse corta
Gelado impiedoso
Sem medo do medo
Somente só
Em terras distantes
Por momentos ausentes
E de certezas duvidosas
Do que ouvimos e sentimos
Para lá do sol
Cerro os meus olhos
E distancio-me da vida
E sinto a tua voz aqui
Que me dá a força
Eles no abc da vida
O sino toca entre muralhas empedradas
Com a história da nossa vida
Caminheiros e muitas vezes escuteiros
Entre laço e o apego à vida
Essa que jamais será perdida
Poderei dizer muito vivida
Subo as escadas e procuro o teu cheiro
Que ficou nos lençóis da nossa cama
Estamos a caminho de fevereiro
E lá fora começa aparecer a lama
 Sol esse endiabrado ilumina sem aquecer
Na soleira da casa o frio é de prever
Aguardo o dia pacientemente
Que o comboio apite
E o teu sorriso apareça


[só em casa]

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Último dia.


Corri de pés molhados na areia fina do meu mar
Senti dentro de mim o vento que bolia sem parar
E no olhar duma criança que já partiu
Tempo pora ver os meus amores a respirar

Tantas e tantas ondas chocam sobre os meus pés
E continuou a percorrer este me país de lés a lés
E a palavra que se escreve ele não viu
Lá longe um dia descansará nos sopés

E na minha tumba contra a minha vontade
Na lápide que se deslumbre
Aqui se deitou nunnca mais partiu

Um fogo, coração, uma alma que arde

Passageiro