Feliz Natal

Feliz Natal

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Natal…



Junto da cama um novelo quentinho
Olho melhor quando me aproximo
O que vejo então uma mãozinha
Tão pequenina
Bem feitinha
É o meu menino
Todo encolhidinho
Como é pequenino neste Natal
Brancos da cor da neve quatro dentes
Dois de cada lado
Dorme que lá fora o frio aperta
A fome lá está desperta
Por isso meu filho
Nos teus sonhos nada disso vês
Um dia quando votares escolhe bem
Porque nestes o mal já esta feito
E Natal quem sabe se ainda voltarás a ter
Perdoa-nos…

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Contra luz



Na estrada solitária até ao monte
Ouço o chilrear pelo caminho
Um pouco de água daquela fonte
Onde em pequeno me saciava devagarinho

Queria acabar de sonhar
Cessar de fazer tudo ficar quieto
Talvez quem sabe tentar voar
Desse medo que o tenho por certo

Dói-me tudo essa dor de dentro
Que me consome que me flagela
Uns dias me dão muito alento
Outros deixam deitado na viela

Vagueio por esses caminhos sem desenredo
Pelos cheiros que um dia tão bem conheci
Mas olho à minha volta é só arvoredo
Aparece então a tua imagem que reconheci

Entre o suor que passeia na minha cara
Nos tremores de me perder nesta terra
Encontrei-te foi uma coisa rara
Levar-te-ei até alto da serra

Juntos olharemos a nossa volta
Este azul que ainda existe nos seduz
Será por estes lados que abriremos uma porta
Com vistas para o mar com muita luz

Um passeio matinal



Uma manhã como tantas outras
O vento sopra de mansinho
Eu devagarinho
Passeio sem norte
Não que me queira perder
Mas unicamente o facto de viver
Sinto essa necessidade
De correr devagarinho
Pelo caminho
Sem oposições
Nem travões
Eu e o meu vento
Seja ele forte ou fraco
Unicamente enamorado
Num único passo
Esse pode até ser compassado
Recorda-me alguém que desejo seguir
E que pelo facto de ser pequeno tenho de correr
Não que ele fuja
Mas pela pressa de o acompanhar
Esta manhã faço-o sozinho
Não vejo os pássaros da mesma forma
Nem as cores coloridas que sempre víamos
São mais negras desbotadas
E onde estão as pessoas enamoradas
Será que partiram
Ou simplesmente se esconderam
Para que se possa despertar
E continuar a andar
Que manhã mais sombria
Até parece domingo
Com esta brisa fria
Caindo por aí um pingo
Que agonia
Não cheira a nada
Perdi o olfacto
Que semanada
O carro apita e com razão
Vou pelo meio da estrada
E em contra mão
Tenho de parar para pensar
Mas nem isso eu desejo
Quero isso sim caminhar
Como se tivesse companhia
Mas quer o destino esta ironia
Voltar a casa onde todos me esperam
E todos vamos passear
Uns ao colo outros andar
Será que mais tarde me vou recordar
Destes passeios matinais
Ou destas tardes de família
O tempo o dirá
Porque hoje afinal e quarta feira
Não sendo dia de feira
É um dia normal

Do outro lado da janela

Uma pedra
Um risco
Um grito
Um olhar
Um sorriso
Um suspiro
De tanto gostar deste mar
De tanto gostar desta brisa
Uma festa
Um beijo
Um aconchego
Um suspirar
Um cochicho
Um abraço
De tanto gostar de ti
De tanto poder namorar


Do outro lado da janela
Esses olhares pequeninos
Que nos deixam embevecidos
Que nos deixam amar.

Passageiro